sexta-feira, 7 de agosto de 2009

alma de menino.

Meu corpo balançava junto com o ônibus naquela leve náusea. O dia já tinha tom de despedida, parecia que a chuva acompanhava minha chegada e partida...
Eu queria ouvir ele tantas vezes ainda, para decorar bem aquela voz e me lembrar nitidamente dela quando tivesse saudade. Eu me agarrava no tempo e ele fugia por entre meus dedos...

3 comentários:

Labes disse...

somente um suspiro, tatiana.

Cláudia I, Vetter disse...

há mais alguém que te chame pelo nome (risos), e muito além de uma voz, te clama suspirando,
veja, é bem de dentro -
e fundo o suficiente pra não ir contigo porque não é parte,
é um inteiro.

linda.

duda disse...

Entre chegadas e partidas nossos destroços velhos e ainda tão vivos vão ficando na beira da estrada...

Entendo tanto essa sensação aí. Me faltam até palavras agora. O balanço do ônibus. Outro tchau. Amanhecer num lugar novo. De novo...