sexta-feira, 24 de outubro de 2008

sentido;

Eu tentei explicar como preciso das coisas explodindo muito às vezes e que calmaria só não cabe mais em mim há algum tempo. E que aquele "liberta" libertou um mundo todo dentro de mim, que pede pra gritar às vezes, e eu deixo. Não cabe ainda te explicar todas essas coisas que passaram, mas eu queria tentar, pra não ser nenhuma vez só um machucado. Temo que as minhas vontades tenham tomado conta um pouco da minha consciência.
E eu escolhi viver, antes de querer renunciar a qualquer coisa. Uma parte do que me incomodava fugiu denovo. E as coisas fluem leves. Posso até descer denovo as ladeiras e acompanhar as luzes dançarem na minha visão falha.

Elemento estranho esse que de certo é água e tem às vezes tudo próximo diluído, como corpo e o resto como coisa só e se move pelo vento.

Eu caminho nessa linha torta de olhos fechados e vivos.

3 comentários:

bea disse...

vento e água ... chuva?

Daniel disse...

gostei... >-)

Álvaro de Campos disse...

"Vontades" e "Consciência", você diz que teme da primeira tomar conta da segunda, mas afinal quando foi que um ser humano não teve vontades insconscientes? Ou mesmo aquelas vontades tão conscientes que pareciam loucuras? Acho que você está temendo as coisas erradas...o que realmente você deve temer é aquilo que pode vir pela frente nesse seu caminhode linha torta onde você anda de olhos fechados mas vivos. Mantenha sua mente aberta...liberte a sua mente.