sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

sobre o mesmo dia...

Hoje eu repartiria a dor em mil pedacinhos, porque eu realmente não queria senti-la sozinha.

3 comentários:

Anônimo disse...

A dor é companheira constante dessa falta que a presença proporciona. A falta dos olhos, dos fios negros e do cheiro. Em suas presenças, sempre mais e mais distância. Mas é a falta que move, que procura, que sente a essência forte, doce, nebulosa, tão viva trazendo inveja, ódio e a dor, sempre dor... Que por tudo no mundo eu repartiria em milhões de pedacinhos. Mas o movimento e um pouco de paz. E com quem dividi-los, se os possíveis dividendos são os próprios causadores de tudo isso?

Daniel disse...

dá um prá mim por favor :-D

Menian disse...

comprou um martelinho?
viu, eu também quero...