terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

"Abraça tua loucura antes que seja tarde demais."

"Mas estávamos ali, como dois sobreviventes - para usar a linguagem que ele provavelmente teria, se falássemos disso - de um naufrágio. Ou para usar a minha própria linguagem, essa de gente que vive amontoada entre outras gentes, mesmo quando se retira, porque a vida incha lá fora, invadindo as janelas fechadas, sobreviventes de uma série de fracassos iguais e mesmas tentativas, idênticas queixas, esperas inúteis, mágoas inconfessáveis de tão miúdas. Eu podia falar lento, deixando o que dizia escorregar da garganta para a língua, da língua em movimento contra o céu da boca para os lábios, que com o ar soprado entre os dentes formaria palavras um pouco ao acaso, sem muita importância..."
(O marinheiro, Caio F.)

Um comentário:

Fern. disse...

Belo trecho, muito Hemingway.