quarta-feira, 6 de outubro de 2010

É sol.

É sol, final de tarde, silêncio, espaço quase vazio, mas metade cheio aqui dentro - de amor, esperança, paciência e outros sentimentos bobos que a gente se enche em final de ano. É impossível estar indiferente ao turbilhão que esse ano está sendo - e quase já não é mais - e à incógnita que o próximo ano é. Tão assustador, como desafiador, como convidativo. E eu fico aqui inebriada pela força que cada dia que passa tem e pela proximidade de novos.

4 comentários:

Juliana disse...

Eu sei bem como é. São os mesmos sentimentos que eu tive no final do ano passado!

Daniel disse...

o ano que vem vai ser ainda melhor, mas meu, Tati, é outubro! tem muito mais histórias pra 2010!

Flavih Jones disse...

Não é só o teu ano que está esse turbilhão.. Vida louca essa que estamos levando, quando se damos conta já é 2010, 2011, 2012..
E o que estamos fazendo de produtivo, de compensador?

Beijos flôr

Thiago Consiglio disse...

A incógnita do que vem em seguida, é tão assustadora e ao mesmo tempo tão animadora..
É um tipo de peso que consideramos para não desperdiçarmos a vida, aproveitando-a no momento, e ao mesmo tempo, procurando algo que você não sabe se vai chegar.
É quase um Eterno Retorno às avessas.
Porque valendo-nos da idéia de que o que fazemos "virá sempre", ajuda a percebermos a importância dos detalhes.