sexta-feira, 20 de março de 2009

vede o dia.

Jogai-mos no dia, afundai-nos nesse dia. Ele se joga sobre nós e nos afundamos de corpo inteiro, alma inteira, o caralho que alguém tentar descrever. Mas jogue-se ao dia, como nunca, não mais como ontem, vá lá se saber como amanhã. Quero mergulho profundo, que afogue as cabeças, que flutue no ar e arranque os pedaços malditos que se sobrepõe a pele, espalha esse gozo pelo dia. Não há absolutamente nada e é absoluto dizer como isso é pele sobre pele. Arranca-lhe o coração e com ele tão apertado dentro da mão, esfrega-o sobre a pele. Sente ele e sente o dia, no respiro. Come o dia inteiro pra dizer que enfim é parte dele.

2 comentários:

Duda disse...

O nosso gozo. Nosso suor sagrado.
O dia é sagrado.
Arrancar o coração e jogar pra cima, então - bem bem alto.

Daniel M Miranda disse...

uau!! que bom te ver escrevendo um pouco da sua raiva... ou violência... ou seja lá qual movimento de explosão... é bom às vezes...